A violência urbana ? obstáculo para o desenvolvimento sustentável

desenvolvimento sustentavel

Um dos grandes problemas para o desenvolvimento social e econômico de forma sustentável é a violência urbana. A redução da violência está sendo tratada pelas nações desenvolvidas, como uma prioridade global, pois se trata de um grande impedimento para o desenvolvimento. O governo não consegue investimentos em regiões onde predomina um alto índice de violência. Empresas, comércio não se instalam em locais perigosos, travando assim a geração de empregos e consequentemente, o desenvolvimento da região. Nações que atingiram certo nível de desenvolvimento foram somente graças a programas de combate aos problemas com a violência.

Quando falamos em violência, um indicador é o número de homicídios. As organizações têm uma ideia de como o homicídio ocorre, quais as razões culturais e sociológicas, por que as pessoas cometem o homicídio. Algumas respostas são: por razões econômicas, outras por razões políticas, outras vezes são por problemas dentro da família, mas cada uma dessas manifestações de violência é um problema na qual os governos têm boas ideias de como tratar, mas acabam esbarrando em políticas internas, corrupção, interesses políticos e mais uma série de fatores que impedem a erradicação do problema.

Todos esses fatores enquadram-se na realidade brasileira, caso o governo não tome uma atitude mais contundente, vamos conviver com o aumento da criminalidade e da violência urbana. Nos últimos dias presenciamos o assassinato de um comandante de uma UPP (unidade de policia pacificadora) no subúrbio do Rio de Janeiro. O capitão Uanderson Manoel da Silva foi morto covardemente defendendo a comunidade. Fatos como esse acabam gerando uma crise de violência ainda maior, pois a polícia agora irá fazer uma verdadeira caçada aos assassinos do comandante, decretando uma verdadeira guerra com os marginais.

-

Há também o fato de que atingir um alto grau de desenvolvimento não bloqueia necessariamente a violência em um país, o maior exemplo são os Estados Unidos, com seus constantes casos de violência em escolas e locais de grande movimentação de pessoas, onde maníacos descarregam suas armas sobre crianças e pessoas inocentes.

São casos distintos, no Brasil há uma razão para os assassinatos, já nos Estados Unidos, não há uma explicação concreta, geralmente são pessoas com sérios problemas mentais que cometem essas atrocidades, deixando a população apreensiva, pois os casos vêm crescendo com o passar do tempo.

A ONU (Organização das Nações Unidas) vem desenvolvendo um programa intitulado ODS (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável) cujo principal objetivo de início será a promoção da paz mundial, com significativa redução da violência de todas as formas.

Uma das grandes dificuldades da ODS é em relação às estatísticas da violência. Embora todo governo tenha colocado como lei que assassinato é crime, há diferentes tipos de assassinato de acordo com a legislação de cada país. Existe assassinato intencional, acidental, assassinato por razões políticas, assassinato de policiais, então, existem diferentes formas de como os governos lidam com os mesmos fenômenos. E isso torna muito difícil comparar as estatísticas de um governo com outro porque possuem códigos legais distintos. A outra dificuldade é que os governos algumas vezes relutam em compartilhar essa informação sobre crimes porque isso pode ser constrangedor ou porque pode gerar questionamento público sobre se ele está fazendo um bom trabalho ou não. Mas nos últimos sete a dez anos, em parte por causa dos Objetivos do Milênio, a ONU tem trabalhado com governos e acadêmicos para conseguir chegar a algumas definições comuns. Isso permitirá aos governos reportarem estatísticas sobre diferentes tipos de crimes de uma maneira que poderiam ser comparadas para dar um quadro geral do crime no mundo. E isso é muito poderoso porque o melhor alicerce para se construir política pública são os fatos. E os governantes estão vendo um consenso emergindo na comunidade internacional sobre como os crimes podem ser definidos e classificados.

Para a ODS, desenvolvimento sustentável significa não jogar simplesmente dinheiro em um problema por um curto período, ou seja, devemos fazer as corretas escolhas de políticas, aquelas que fazem sentido no contexto particular de um país.

Para gerar progresso em diferentes áreas, tem que ser desenhada uma estratégia para cada contexto em particular. E, em geral, sabemos que se você não desenha estratégias e políticas que possam ser levadas adiante no longo prazo ? e que serão abandonadas ? você não verá ao longo do tempo nenhuma melhora significativa.

Existem sociedades que não tem problemas significativos com violência, mas ainda são muito pobres. E há também países que são ricos e que possuem problemas graves com violência. Há muitas variáveis independentes para essa análise e o ponto é que não há apenas uma explicação que atue em todos os contextos distintos. É preciso entender quais são os principais problemas em um país em particular e tratá-los. A ODS está sendo elaborada agora. Há aspirações, objetivos, esperanças, mas é de bom entendimento que os alvos para qualquer objetivo em particular tem que ser direcionados levando em conta o contexto de cada país individualmente.

A violência faz parte da natureza humana. A questão que todos os governos se deparam é como você muda o comportamento humano de uma maneira construtiva. As pessoas provocam violência por diferentes motivos. Batem nas suas mulheres porque viram suas mães apanhando de seus maridos; abusam de crianças porque foram abusados quando crianças. Ou seja, cometem crimes por muitas razões. As motivações das pessoas são muito complexas e a violência não é um fenômeno que pode ser facilmente explicado. Depende também muito do contexto onde vivem.