A Vovozinha está ganhando do Lobo Mau? SIM!

Vovó x Lobo Mau IVNo útimo dia primeiro de outubro foi comemorado o Dia Internacional do Idoso.

Como não sentir carinho pelo Idoso? Como não ter doces recordações se grande parte de nossas referências permeiam dos cuidados de nossas vovós.  Agora, muito cuidado! Você que pensou naquele modelo de vovó frágil do tipo que é contado na estória do lobo mau, repense seus conceitos…. As vovós de hoje passam longe desse modelo já “ultrapassado” de nossas lembranças…

Mesmo havendo mil  crenças e estereótipos sobre a concepção da velhice, algumas ainda cristalizadas na imagem de um processo degenerativo (a qual rotula o idoso como incapaz) e outras, mais atualizadas, que pregam a “terceira idade ou melhor idade” na tentativa de  fazer com que  o envelhecer  seja melhor aceito  na sociedade, o fato é que ser idoso “não é mais como antigamente”.

Mas como eles estão fazendo esta “revolução” se o que vemos é uma sociedade que “cultua” a beleza e a juventude e conseqüentemente negligencia e  ignora a velhice?

Simplesmente agindo e vivendo intensamente dentro de suas limitações.

Sim! O corpo envelhece! E as limitações aparecem, quer queiramos ou não…  E não adianta a super vovó pensar que seu auto-cuidado e autonomia fará com que ela consiga vencer o lobo mau… Não! Não!  A idade biológica vai bater a nossa porta e cobrar o seu quinhão, mas, isto não é exatamente um motivo de desespero para muitos.

O sentimento de envelhecer acontece de forma distinta para cada pessoa, sendo para alguns um processo de muita angústia, e  para outros um processo de autonomia e empoderamento (e bota autonomia e empoderamento nisso),  encarado de forma tranqüila, … Não é incomum encontrarmos idosos nos bancos da faculdade, aulas de informática, viagens e outros lazeres… E como dançam e namoram!  Aí eu me pergunto: velhos?  Quem? Eu, na minha correria diária ou Eles, em suas tardes de danças e namoros? kkk

Dá um tempo, Lobo mau! Não há mais tempo para temê-lo, no muito é dar um breve “what´s up?” e um  “See you later”.

Os idosos de hoje estão mais antenados, já não querem mais participar de grupos sociais que só falam em doenças e cuidados paliativos, mesmo sabendo que envelhecer num país idealizado para jovens, e pouco assegurado pelas leis que regem o estatuto do idoso, não é nada fácil!

Não importa a forma que essa pessoa idosa é vista, a nossa função social é que façamos com que,  permaneça entusiasmada com a vida, seja capaz de produzir e decidir sobre o que lhes diz respeito, aceitando assim, o processo de envelhecimento de forma construtiva, elaborando seus projetos de vida de forma cabível e harmoniosa.

Não serei hipócrita ao ponto de generalizar que essa condição de velhice atinja a maioria dos idosos, sabemos que não!  Infelizmente há muitos dos nossos “velhinhos” sendo mal tratados, desrespeitados e até mesmo em isolamento.

Mas, mesmo assim, a mensagem que fica é: “TOME CUIDADO LOBO MAU!” Os idosos de hoje não estão para brincadeira… e de nossa parte temos muito o que agradecê-los e aprender com seus sábios ensinamentos tanto de suas experiências do passado, como também de sua forma de viver o presente….