Amigo homem!

Ao longo da minha vida, colecionei amizades masculinas, desde muito cedo.  Ser amiga de homem é mais fácil, eles tem aquilo que nos falta. Eles são a nossa metade, o oposto, o desconhecido.

Só com meus amigos homens pude aprender a fazer rabiola para pipas, a escrever as fórmulas de química na sola do tênis, a fazer uma bola de meia para jogar queimada, a bater figurinha (bafo), a mergulhar de cabeça de um trampolim de dois metros de altura e tantas outras coisas.

E os conselhos dos homens? São ótimos, mas machucam, viu? Você fala, fala e eles de cara, sentenciam.

São taxativos, práticos e resolutos. Parece que para os homens, de fato, tudo tem solução.  Certamente por isso, eles tem tanta aptidão para área de exatas.

Quando penso nos homens? Me sinto parte do grupo. O universo masculino é o meu mundo, está dentro da minha cabeça. E entre o meu cérebro masculino e meu coração feminino, prefiro o primeiro.

Isso explica tanta afinidade e amizade. Sei que para muitos, amizade entre homem e mulher, não existe. Às vezes amizade e amor ou amizade e tesão se confundem? Mas muitas vezes, trata-se de amizade e amizade, essas são genuínas e para a vida inteira.

Poderia nominar as que tive e tenho, mas hoje, quero falar de apenas um amigo/amigo.  O nome dele é a tradução e a essência da palavra homem: João.

João o poeta!

João o terrível.

João o amigo.

Nossa amizade parecia pouco provável, uma década de diferença na certidão de nascimento, solteiro, sem filhos, sagitariano, repórter, baladeiro, sem rumo, sem eira nem beira.

O tempo se encarregou de unir, o que nasceu para estar junto. Meu amigo João passou a refletir o que eu sou: distraído, sincero, feliz, sem dinheiro no banco, sem pai nem mãe, visceral,  essencialmente jornalista, trabalha com a notícia e não para a notícia. Um pensador, um romântico. Sabe onde quer chegar, mas perdeu o mapa, o horizonte, corre contra o tempo e no limite de tudo.

E agora, me aparece com essa? Vai me deixar.

Vou sentir tanta saudades de você garoto! Já avisei ao coração, que vai doer bastante. Já avisei aos meus sentidos que não ouvirei mais o seu sorriso a toda hora, não receberei suas mensagens no celular no meio da tarde, não te encontrarei em frente ao meu portão durante as minhas férias. Não serei mais a ?prefeita?, a ?governadora? ou a Hillary Clinton? Serei metade do que sou, meio feliz, meio amada, mas serei, sempre, inteiramente sua amiga. E estarei aqui para o que der e vier, esperando você voltar.

João, meu amigo, quem te conhece é que te compra! Deus faz e Deus junta! Sucesso garoto.

Com amor

Mari