AV.PAULISTA, ACABOU!

Foram quinze dias passando pela Avenida Paulista todos os dias. Bastava sair da estação do metrô para o clima mudar completamente! O ritmo na Paulista é diferente, não sei precisar se é mais rápido? Acho que é cadenciado, até mesmo ensaiado, eu diria! O abre e fecha dos semáforos determinam se você vai continuar seu caminho ou terá de esperar. Como pedestre, adoro a espera pela mudança das cores? Assisto ao desfile de carros e faróis e depois faço da faixa de pedestre a minha passarela!

E quando estou caminhando meu olhar estrangeiro trai todo o resto do meu corpo. Meus olhos estão no comando e não perdem um detalhe: o casal, o esportista, a velha, o homem com o cachorro, a mulher de patins, a elegante, o extravagante? Aí então, consigo ver as expressões do cansaço, da pressa, do sucesso, da preocupação, da distração?

Sem descanso, sempre arranjo tempo para olhar pro alto, para os tais prédios que as pessoas dizem que arranham o céu. Na minha opinião eles enfeitam o firmamento como uma moldura em concreto que abriga poder, sonhos, fracassos, mas sobretudo histórias de vida, um punhado delas!

Entre tantas, conheço uma em especial! O todo poderoso da corretora de valores Geração Futuro conhecido no mercado financeiro como Edmundo Valadão!

Pra mim é o Tio Edmundo, irmão mais velho do meu pai, meu padrinho de batismo, pai dos meus primos, marido da tia Vera, o homem que sempre se vestia com calça cinza de moletom, uma pólo da Lacoste e que quase não falava sobre os negócios dele, na verdade ele sempre queria saber como andava a nossa vida! Pra cada resposta, uma atenção especial. Cresci assim e só depois de crescida conheci parte do sucesso do meu tio! Vi as reportagens nas revistas Exame e do jornal Valor, na Gazeta Mercantil e em tantos outros veículos.

Veio então, em 2009 a chance de conhecer a Geração Futuro, exatamente na Av. Paulista, número 287. Foi um orgulho imenso e fui recebida com o mesmo carinho de quando eu era criança e chegava no apartamento dele na Rua Piauí, me senti em casa e querida!

Foi uma das nossas últimas conversas, meu Tio se foi, um câncer o levou de nós. Mas o legado que ele deixou ninguém levará. O prédio está lá, a Geração também, os filhos dele seguem com os valores dele e essa é uma razão muito especial pra que eu me sinta muito bem na Av. Paulista. Todos esses dias eu olhei pro alto e pensei? Parabéns Tio, saudades?

Bj

Mari