Bebendo estrelas.

[![7](http://elefanteverde.com.br/blog/sao-caetano-do-sul/wp-content/uploads/sites/16/2014/01/7-300x199.jpg)](http://elefanteverde.com.br/blog/sao-caetano-do-sul/wp-content/uploads/sites/16/2014/01/7.jpg) Hoje falaremos dos vinhos que possuem gás carbônico, as famosas borbulhas.
Começando pelo rei deles, o **Champagne**, artigo genuíno da região de Champagne ao norte da França, dona de paisagens austeras, que não parecia destinada a grandes maravilhas. Sob o comando de Napoleão I, esse vinho já havia conquistado nobres e poderosos. -‘’Merecido na vitoria, necessário na derrota’’- embora seu autor seja desconhecido esse adágio representa muito bem a relação do mundo com esse vinho.O bom Champagne deve apresentar aromas de nozes, pão, frescor de maça e bolhas pequenas. Fuja dos muitos baratos que são excessivamente ácidos.
Além do Champagne temos os espumantes, estes que por não serem produzidos no norte da França e de se utilizarem de cortes diferentes são denominados espumantes.
Os vinhos espumantes da Austrália, Nova Zelândia e Califórnia são produzidos de forma similar ao Champagne e, não raras vezes, são igualmente bons e a preços acessíveis.
Já, quando o assunto é frisante a diferença se dá pela quantidade de gás carbônico, sendo este menos gaseificado que os espumantes. Os exemplares franceses como Crémant de Bourgogne se mostra levemente melado, o Saumur caracterizado pela acidez marcante e o não menos interessante Blanquette de Limoux apresenta gosto de maça.
O** Lambrusco**, também é um frisante, mas de denominação de origem controlada, sendo apenas os produzidos na região de Emilia-Romagnana Itália, os que podem receber esse nome. O **Prosecco** recebe esse nome em função da uva branca chamada prosecco, oriunda da região de Vêneto, Itália, com o qual é produzido.
As bebidas onde se tem borbulhas, ou seja, gás carbônico devem ser servidas geladas e a uma temperatura média de 6°C. Uma dica: – “Quanto mais delicada, fina e menor a bolha, melhor o vinho em questão”-.
Não posso deixar de comentar que esses vinhos são presença garantida em comemorações, tanto pela magia que provocam desde sua abertura com o estourar das rolhas até seu espetáculo na taça, que devem ser finas e alongadas para que se possa ver a dança das borbulhas.
Lembrem-se, sempre, que esse vinhos são como verdadeiros curingas na enogastronomia por apresentarem uma harmonização quase que geral, da entrada à sobremesa. Na dúvida, peça um espumante! Bons Vinhos.  ![toast-new-years](http://elefanteverde.com.br/blog/sao-caetano-do-sul/wp-content/uploads/sites/16/2014/01/toast-new-years-300x168.jpg)