Cada um no seu lugar!

Ah, o copo! Receptáculo do precioso líquido que estamos prestes a consumir. Fazer a escolha do copo certo e tratá-lo com os cuidados básicos primordiais indispensáveis são atos fundamentais para que a experiência da degustação seja perfeita.

Como devem ser os copos? Pois bem, cada estilo de cerveja pede um copo apropriado para que as características da cerveja sejam usufruídas ao máximo. Embora o homem já tenha passado por diversos tipos de recipiente em outras fases da história, se utilizando de copos de argila, cerâmica, couro e metais diversos como o ouro e o cobre, na modernidade (a partir da segunda metade de séc. XIX) o homem passou a utilizar os copos de vidro. Perfeito! A transparência dos vidros e cristais propicia a perfeita visualização da cerveja consumida, bem como sua carbonatação e formação de espuma. Este é o primeiro passo: visualizar o produto e tê-lo apresentado em sua melhor opção de copo aguça os sentidos.

O formato dos copos também é fundamental para que o estilo da cerveja seja valorizado em todas as suas características de retenção de espuma, liberação de aromas e sabores na hora da degustação.

Copos com alças facilitam a forma de se segurar, e não é a toa que estes são utilizados no Oktoberfest.  As canecas de 1 litro pesam bastante e as alças facilitam o trabalho das garçonetes e dos clientes, que se sentem mais a vontade para segurar aquele peso todo. Além disso, as alças, bem como as hastes (pezinhos), corroboram para que a cerveja não aqueça com o calor das mãos. As cervejas servidas no Oktoberfest vêm em canecos de 1 litro e o tempo que se leva para bebê-las não é muito, mas o suficiente para aquecer as cervejas se fossem servidas em copos tipo tulipas. Já as cervejas servidas em copos com hastes geralmente são mais alcoólicas, bebidas mais vagarosamente, e o fato das mãos não precisarem tocar o copo também ajuda para que a cerveja não aqueça com o calor delas.

A intensidade de aromas e sabores também é afetada pelo formato do copo. Vejamos, por exemplo, algumas cervejas Lagers, mais simples em aromas e sabores, como as Pilsens, as Kölsh e Viennas, podem ser servidas em copos com boca mais estreita, como a tulipa tradicional, ou no copo criado especialmente para as Kölsh, bem como os pints e half pints.

São copos que não têm como característica a facilidade em ?abrir aromas?. Mas os copos longos e retos, como as tulipas, são inclinados pelo bebedor de forma que o líquido acaba chegando de maneira rápida ao fundo da garganta, onde se concentram papilas gustativas ligadas ao amargor, característica típica destes estilos e valorizada tanto nas Bohemian Pilseners como nas German Pilseners, assim também como os pints valorizam o amargor das Bitter?s (Ales amargas).

Por outro lado, para as cervejas que apresentam maior complexidade de aromas e sabores, aconselhamos que sejam consumidas em copos de bocais mais abertos. O álcool se volatiza e carrega consigo os aromas da cerveja. Portanto num copo de bocal largo poderemos sentir toda a riqueza que, por exemplo, um Strong Ale, uma Tripel ou uma Quadrupel podem oferecer.

Além disso, o copo de bocal largo é mais baixo, e ao inclinarmos o copo para beber a cerveja, o fazemos mais vagarosamente, assim o líquido atinge primeiro a ponta da língua e as partes frontais, e vai aos poucos percorrendo toda a boca, fazendo com que sintamos todas as nuances dos sabores! Fantástico!

A liberação de gás carbônico faz com que a cervejas mantenham um nível visual e gustativo agradáveis ao bebedor, e por isso algumas cervejarias desenvolveram copos com micro ranhuras, que retêm o gás carbônico, liberando-o gradualmente de forma que mantenha a espuma num nível constante.

Preciosismos a parte, o fundamental é que o formato do copo valorize a formação da espuma que o estilo carrega consigo, e seja capaz de retê-la por mais tempo. As Ales típicas inglesas e seus sub estilos têm como característica a média formação de espuma, mas com pouca retenção, e nenhum copo fará com que isso mude, por isso são tradicionalmente servidas em* pints* ou half pints (parecidos com as calderetas).

Algumas cervejarias, especialmente as belgas, desenvolveram copos apropriados para receberem o serviço de suas obras primas, mas o mais importante não é a sutiliza do design exclusivo, e sim as características do copo, portanto embora seja agradável beber a cerveja em seu próprio copo, pense que basta que seja o copo apropriado para o estilo, não necessitando ser o produzido pela cervejaria.

As vezes, os copos são mero objeto de desejo de consumo e uma maneira de seduzir o consumidor. Alguns copos são históricos, como por exemplo, o da Kwak, que tem formato de ampulheta e um suporte de madeira, que era preso as carruagens de maneira que o líquido não se derramasse.

E não basta ter o copo ideal, mas temos que tratá-lo com cuidado:

  • Se utilizar escovas ou esponjas, que sejam exclusivas para os copos de cerveja;
  • Sempre utilizar sabão neutro;
  • Enxaguar os copos com bastante água (a gordura leva embora toda a espuma, assim como o batom das moças);
  • Após lavados, os copos nunca devem ser secos com panos, que podem transmitir odores indesejáveis e fiapos;
  • Deixar sempre os copos com o bocal para baixo, num escorredor de inox ou emborrachados e atóxicos;
  • Em caso de utilização de máquinas de lavar, não ultrapassar a temperatura de 55º Celsius;
  • Não lavar copos com outros utensílios, principalmente os gordurosos.

Cheers!!!