Comer como um frade ou comer como um Papa?

Eu resolvi começar minha aventura neste blog falando de um assunto muito peculiar sobre o qual eu li outro dia. Só para contextualizar, recebi e com muito prazer aceitei o convite de fazer parte do time blogueiros do ELEFANTE VERDE para falar sobre culinária, tema do qual gosto muito. Basta saber que sou dono de um restaurante, o Vó Cândida.

Sei que blogs sobre receitas e sobre culinária existem aos montes. Eu mesmo acompanho alguns buscando novo pratos e novas experiencias. Sendo assim, resolvi fugir um pouco do obvio e tratar de assuntos relacionados à cozinha e à boa mesa. É certo que passarei receitas e dicas de cozinha para quem tiver a curiosidade e me der o prazer de me acompanhar por aqui.

Indo direto ao assunto, outro dia estava lendo um jornal e vi uma matéria sobre um livro que trata da intimidade e o gosto do atual Papa da Igreja Católica Romana e de seus dois antecessores. O livro foi lançado quase em forma de um caderno de receitas e trata sobre as principais iguarias que* Karol Wojtyla (João Paulo II), Josef Ratzinger (Bento XVI) e Jorge Mário Bergoglio (Francisco)* gostam de comer. Lançado em alemão, mas já traduzido para o italiano, o livro foi escrito por David Geisser, um oficial da Guarda Suíça que cuidou diretamente da segurança dos pontífices e vivenciou de perto a intimidade de um dos maiores líderes religiosos do planeta: o Papa. Geisser, conta na entrevista ao jornal que é uma tradição Suíça, e em especial da região onde nasceu, mandar jovens servirem na guarda do Papa desde o Século XVI. Em sua família vários parentes já foram escolhidos para servir a Santa Sé. A Guarda Suíça não tem um corpo permanente, e sim os afortunados suíços que são escolhidos integram a força por um determinado período de tempo. Depois disso passam a honra a outros. Foi aí, depois de passado seu tempo como Guarda Suíço, que David Geisser resolveu escrever o livro. Ele é Chef de um restaurante em sua cidade natal e afirma que sempre gostou de cozinha. Desta experiência de conviver junto ao Papa surgiu o livro: “Buon appetito, Guardia Svizzera” (Bom apetite, Guarda Suíça)

divulgaoLivro: Buon appetito, Guardia Svizzera

Segundo nos conta o livro, ficamos sabendo que João Paulo II gostava muito de PIEROGI, que é um pastel recheado com batatas, carne moída, frutas secas e queijo, e que as vezes tomava uma pequena dose de Wino Proste, uma espécie de água ardente de frutas típicas da Polônia, como digestivo. (RECEITA DE PIEROGI POLONÊS)

Já o alemão Bento XVI era completamente abstêmio. No dia em que o Conclave o escolheu Papa, os cardeais fizeram um brinde com champanhe, mas o Papa brindou com água tônica. Segundo Geisser, Bento XVI comia pouco, devagar e em intervalos regulares de tempo, bebia muita água, de preferencia gasosa, e não gosta de café. Seus pratos preferidos eram uma mistura de comida típica alemã, com linguiças e salsichas assadas, cebola e carne de porco e ESPAGUETE AO MOLHO PESTO, uma receita italiana da chamada comida mediterrânea. (RECEITA DE MOLHO PESTO TRADICIONAL)

Francisco, como bom argentino, gosta de jantar acompanhado por um cálice de vinho tinto seco, prefere uvas Merlot e Malbec. Gosta de EMPANADAS, bisteca assada na brasa e “Colita de Cuadril”, que é um corte de carne muito comum na Argentina. É como se fosse uma parente próxima da nossa picanha. Francisco não dispensa de forma alguma uma colher de doce de leite ao final das refeiçoes. (RECEITA DE EMPANADAS ARGENTINAS).