Como transformar um país

?A união faz a força?, diz o ditado popular.

Embora isso seja verdade, uma minoria de brasileiros ainda não apoia os guerreiros que lutam para vencer uma guerra justa, como se pode ver pelas atuais manifestações e passeatas nas ruas. Por que você acha que isso ocorre?

Talvez você pense que seu apoio não faz diferença, ou que uma simples atitude sua não vai dar em nada, ou é tudo ilusão e o governo vai continuar mandando e iludindo etc?

Porém , algumas das hipóteses mencionadas acima foram justamente as mesmas que influenciaram você e a grande maioria por décadas e por isso mesmo nada mudou, pelo contrário, piorou.

Cada indivíduo que decide agir em prol de uma transformação conta (e muito) para o bem geral do país. Portanto, caso decida dar a si um momento de reflexão, verá que uma atitude correta de sua parte faz a diferença tanto para sua vida como para sua comunidade.

Minha coluna é sobre autoajuda e nada mais propício, a meu ver, do que escrever sobre sua autoconfiança em relação a uma possível mudança, sem medo de errar, em relação ao ultrapassado sistema político brasileiro.
Se eu me escondesse atrás desse artigo ignorando o assunto do momento como muitos brasileiros fazem nesse exato agora, me sentiria desprovida de patriotismo, além de ser injusta para com quem está indo às ruas arriscando sua vida por mim e você.

Compreendo sua apatia; sei que ela acontece por muitas razões, inclusive pela desconfiança de que o velho sistema não vai mudar; porém, não concordo com a apatia de alguém que vê o errado e se cala por não acreditar na mudança que pode começar com uma simples nota escrita ou uma conversa telefônica. Tudo é válido em relação a uma luta por mudança e é plenamente bela a união de um povo para o mesmo fim.

Quer sentir orgulho de si? Faça algo (por menor que lhe pareça) que produza uma diferença positiva na sua própria vida, e em seguida se tornando útil a sua comunidade.

Somando seus esforços a milhares de brasileiros ao redor do mundo influenciará seus sentimentos de uma forma mais forte e, por conseqüência, se tornará mais útil em um contexto universal, tendo como prioridade a merecida justiça.

Caso insista em não participar de um movimento histórico em nosso país, aí vai algo para refletir:

? O medo nos paralisa
? A desconfiança nos limita
? A inércia nos domina

Agora se pergunte: Quer que as coisas continuem assim?