De Volta aos 80

Mondo Pop 80

Quando eu comecei com o Mondo Pop 80 –e nem era Mondo Pop e sim Rock Brasilis- havia uma verdadeira febre relacionada ao tema. Eventos como a Festa Ploc, livros como Almanaque Anos 80 bombavam e eu nem imaginava que, 8 anos depois, tal efervescência continuaria.

No início deste mês de maio estive em um show da Banda Flerte com o repertório baseado fortemente em bandas como Kid Abelha, Capital Inicial, Guns N’ Roses e outros, e em Itajaí meu amigo Farley atua como VJ também tendo os flashbacks como matéria-prima. Seu Gold Songs vai ao ar pela TVBE com audiência cativa. Canais como o VH1 tem faixas exclusivas para o tema, e várias bandas continuam na ativa, lotando shows Brasil afora.

Por isso, quando Rodrigo Knack deixou o Mondo Pop 80, após 5 temporadas de bons serviços prestados à causa oitentista, a ideia de retomar o programa me seduziu. Em outro horário, público diferente, e com a companhia da locutora Veri Gruber. No início deste mês estreou o Mondo Pop 80, no horário das 12h40, de terça a sexta. E o projeto que me trouxe à Univali FM, lá em 2006, continua sendo minha cria mais querida. Poder tocar novamente músicas com um significado tão grande para tantas pessoas, em um horário que permite alcançar um público tão abrangente, com as facilidades que as redes sociais proporcionam, tudo isso me motiva bastante. E me alimenta, justamente na hora do almoço.

Marcus Piccoli, programador da Univali FM, músico e produtor prometeu remixes exclusivos para o programa, Rodrigo cedeu a fanpage criada no Facebook para o programa, além de muito material que agregou ao acervo, a Veri está bastante animada e eu sinto que o programa tem uma força que só a música que foi feita por bandas como Cure, Legião, Paralamas, Titãs, Smiths, RPM, Ultraje, U2, Police, Ira! e grandes nomes como Madonna e Michael Jackson poderia proporcionar.

Foi uma década realmente iluminada e que ainda hoje seduz, além da geração que a presenciou de perto, toda uma nova leva de fãs que sentem a mesma nostalgia do que não viveram que eu sinto pela era beatle. A magia da música se sobrepõe a tempo e espaço, e as bizarrices da moda oitentista, por mais incrível que possa parecer, geram simpatia e ainda retornam com força, como aconteceu com as temíveis calças saruel. Ou seja: até o que era ruim nos anos 80 merece alguma atenção.

Imagina só o que era bom, então?