Diversidade! Isso é bom!

Ainda estamos sob o efeito do massacre na escola de Realengo no Rio de Janeiro. E acho que essa sensação de dor e indignação vai custar a passar.  Depois de esmiuçar a Veja, de assistir a muitas reportagens pela TV,  cheguei a uma conclusão, que gostaria de dividir com vocês!

Pensei que contra pessoas doentes como esse assassino, só temos uma opção. Precisamos mudar algo dentro de nós, fazer a nossa parte. É nosso dever acabar com qualquer tipo de preconceito, isso não combina com o mundo atual. Onde a informação e o conhecimento estão à disposição de todos! Onde as amizades nascem por afinidades de perfil, no facebook! Que bobagem é essa de excluir pessoas?

Precisamos falar com nossas crianças, ensinar pra eles, que todos tem o direito de fazer parte, de pertencer! Que a diversidade é importante e que rotular pessoas por causa de características físicas, classes sociais, raça, opção sexual ou qualquer coisa parecida não faz o menor sentido.

Pode parecer pouco, mas não é! Assim, podemos acalmar ânimos, cultivar sorrisos, deixar almas mais leves? Experimente!

Pela manhã, neste domingo, chamei meus filhos mais novos e tive uma conversa com eles! Perguntei a eles o que eles sentiam em relação ao massacre! Ví nos olhinhos deles uma tímida revolta e um enorme medo! Então comecei lá de trás! Falei que por causa do meu trabalho os dois, freqüentam escolinhas desde os três meses de vida. E que quando eu os deixava no portão da creche, levava comigo um coração apreensivo! Na hora de buscá-los, os dois já tinham tomado banho, jantado e eram entregues a mim são e salvos, com um caderninho, onde as tias colocavam tudo que havia acontecido com eles durante o período na escola.  E que pensando nisso conseguia tentar imaginar o que aqueles pais sentiam lá em Realengo! Os filhos de alguns deles não foram voltaram pra casa. Acordaram, foram estudar e em menos de 24 horas estavam sendo sepultados! Então fiz outra pergunta de quem é a culpa? Eles disseram, quase juntos: daquele doente, assassino. Sim, de fato é dele, foi ele quem planejou, atirou, foi ele!

Exposto o culpado, falamos dos motivos, que na minha opinião, não se trata apenas do bulling, mas acho que esse rapaz tem algum tipo de patologia, sei lá, que talvez somada a exclusão, tenha se tornado algo incontrolável! Então pedi aos meus filhos duas coisas: tolerância e gentileza.  Se eles cumprirem a promessa, a transformação já começou! Transforme você também!

Uma ótima semana a todos

Bj

Mari