E lá se vão 7 anos...

Desde o fatídico 30 de outubro de 2007 até os dias atuais, passaram-se inúmeras fases envoltas ao Brasil como sede do maior evento esportivo do mundo, nós brasileiros protagonizamos desde o brilho dos olhos, passando pelo testemunho as marchas de corrupção, no atear das obras, até o desencanto à seleção. Enfim chegamos a semana inicial do grande teste, a Fifa, através da copa das confederações e do seu poder global, se apodera do Brasil e introduz o ?treino máster?, sendo específico a Bahia, que abrigará três jogos do certame.

Entre os variados percalços entrincheirados nestes quase seis anos do ?mutirão dos engravatados?, aqui na Bahia, exceto a reconstrução da velha Fonte, vimos que nada mudou: o caos no trânsito já transborda aos horários de pico, o transporte público anda em ritmo semelhante às obras do lendário metrô e a violência continua sob estudos. Imagine? tudo isso ainda ocorre mesmo com os famosos ?milhões e bilhões? sendo investidos sem fim.

Sabemos que há impregnação de muitos malfeitos em nossa terra, das dificuldades de estruturação e modernização inerentes a uma grande metrópole como Salvador, porém, não conservamos culpa se as promessas foram feitas e, agora enxergamos, inveridicamente certificadas. Mais uma vez, mesmo encalçada por uma potência política mundial (Fifa), a máquina pública canarinha reforçou sua histórica incompetência burocratizada, sob os mandos da, sem igual, corrupção e ineficiência. Resta rezar ou orar, aos que tem fé.

Já sobre o futebol, pouquíssimo encanta. Ouvi um comentário elementar, preocupante e verdadeiro a pouco, por parte de um jornalista esportivo que ressaltara sua preocupação a respeito da pouca interação dos brasileiros com a seleção, numa copa que será no Brasil: ?onde estão as bandeirolas verde-amarelas, as bandeirinhas do Brasil nos carros, as bandeiras estiradas nas janelas??. Realmente, onde estão? Mas mesmo assim, nos conhecendo bem, inferimos que ainda há esperança, e mesmo com CBF e seus pares não merecendo, se ganharmos a copa das confederações, chegaremos animados ao mundial e, invariavelmente, reformularemos esse opaco cenário atual. Tomara que as rezas e orações façam efeito e tudo dê certo!