Empreendedorismo e Inovação: Como Começar?

Geral i

O brasileiro tem o desejo nato de empreender. Segundo dados divulgados pela última pesquisa GEM -Global Entrepreneurship Monitor (Monitor de Empreendedorismo Global), que é patrocinada no Brasil pelo Sebrae e realizada pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), está crescendo no Brasil o empreendedorismo por oportunidade, onde se toma a decisão de abrir uma empresa por identificar momento favorável para ganhar dinheiro sendo donos do próprio negócio (para maiores detalhes da pesquisa veja a reportagem “Avança empreendedorismo no Brasil”).

A partir desse desejo, porém, começa o primeiro grande desafio: O que fazer?

Existem vários possíveis “começos” para se encontrar uma ideia de negócios, porém, talvez uma das mais rápidas e eficazes é: Solucione um problema, ou mais precisamente: solucione um problema de seu mercado alvo com o produto adequado, entregando esse produto quando e onde o produto é necessário e ao preço que seja compatível com o valor entregue. Sintetizando, crie valor através da solução de um problema, e cobre um preço adequado que cubra seus custos e ao mesmo tempo satisfaça seus potenciais clientes, onde e quando eles necessitam.

O grande desafio está em encontrar o perfeito equilíbrio entre essas variáveis.

Um bom modo de começar encontrar essas respostas é usar um método muito simples que, originalmente, foi criado para resolver problemas de produção dentro da montadora de automóveis Toyota e que, se difundiu depois, sendo usado como forma de análise de problemas e situações em geral. A técnica é chamada de “Cinco Porquês” ou “Detecção da causa raiz problema”.  Saliente-se que apesar de muito simples e de fácil uso, e de ter sido concebida para uso na análise de processos industriais e de projetos, essa técnica é bastante eficaz no seu objetivo de ir à verdadeira raiz do problema analisado, sendo hoje utilizada em todos os segmentos e em todos os setores das organizações.

Como já mencionado, seu uso é muito simples: O empreendedor deve avaliar o mercado e o problema ou situação que pretende resolver e/ou oferecer algo novo, perguntando sucessivamente cinco vezes os “porquês”, sendo sincero e objetivo em suas respostas, pois essas serão objeto do “por que?” seguinte. Com isso se busca detectar a “causa raiz” de um problema, fazendo-se uma espécie de análise regressiva, evitando-se que  o empreendedor resolva um “sintoma” e não a verdadeira causa do problema que está analisando.

Para sua maior eficácia, utilizando essa técnica, analisando o produto e mercado alvo, o empreendedor deve utilizá-la também com vários de seus potenciais clientes, pois, muitas vezes o próprio cliente não consegue ele mesmo identificar a verdadeira “raiz” de sua insatisfação. Isso poderá evitar custos desnecessários e acelerar substancialmente a curva de aprendizado do empreendedor.

Em resumo, essa técnica busca respostas para as verdadeiras questões que o empreendedor tem ao se deparar com uma potencial oportunidade de empreender:

  • Existe aqui um problema que vale a pena resolver com o desenvolvimento e/ou adaptação e/ou melhoramento e oferecimento de um produto ou serviço?

  • O que eu tenho em mente, é realmente o que os potencias clientes querem e precisam em termos de qualidade, valor e preço?

  • Eu tenho como reproduzir o produto/serviço com a mesma qualidade e custo, e existe potencial de crescimento?

O objetivo deste artigo, obviamente, não é esgotar o assunto, e sim despertar sua curiosidade e incentivá-lo a buscar mais informações a respeito deste assunto, o que, com certeza, poderá ajudá-lo muito, tanto como empreendedor de mercado, como o empreendedor interno das grandes corporações, na análise das oportunidades e busca das respectivas soluções.

Artigo baseado em experiências profissionais e de estudo do autor.