Fernanda Takai, A Cult mais Próxima do Estrelato

Fernanda TakaiFernanda Takai

Reconhecimento da crítica, Fernanda Takai já tem: e nem é como a vocalista do Pato Fu, e sim com seu primeiro álbum, dedicado ao repertório eternizado pela musa da bossa nova, Nara Leão. Onde Brilhem os Olhos Teus foi lançado em 2007, ganhou o prêmio APCA e representou mais um gol de placa de Nelson Motta, idealizador do projeto.

Desde então ela ampliou o projeto com Luz Negra, o registro ao vivo da turnê, e ainda se reuniu ao ex-Police Andy Summers, gravando com ele Fundamental, matando o desejo do guitarrista da banda de Sting de embarcar de vez na música brasileira.

Faltava chegar a um público maior. Isto talvez explique a grande miscelânea de estilos, vozes e tendências que está contido em Na Medida do Impossível. Reginaldo Rossi, que morreu no ano passado, é lembrado em Mon amour, meu bem, ma femme, gravado em dueto com Zélia Duncan. Benito de Paula, que dominava as rádios nos anos 1970 também: sua Como Dizia o Mestre está lá, bem como uma releitura de Amar como Jesus Amou, ao lado de Fábio de Mello, sucesso do padre Zezinho também vindo dos anos 1970. Uma versão de Heal the Pain, sucesso de George Michael foi construída, e defendida em dueto com o Skank Samuel Rosa. Mas não se engane com o repertório discutível: em todos os casos Fernanda verte para sua voz doce as canções mais complicadas e confere sutileza a versos não muito inspirados. Seu Tipo, primeira parceria das parceiras de Deck Discos Fernanda Takai e Pitty, é justamente a síntese do que provavelmente foi a gênese deste terceiro álbum de estúdio. Balada pop, com todos os elementos disponíveis para tocar –e bem- em todos os ambientes, emissoras e tevês, com letra igualmente palatável e universal.

Mesmo assim, Fernanda Takai permanece sendo a cult mais próxima do estrelato que a música brasileira já produziu. E não é pouca coisa, considerando toda a oferta de cantoras que nosso mercado possui.