Jurado de concursos cervejeiros

O Festival da Cerveja de Blumenau teve início após a cerimônia de entrega das medalhas das cervejas vencedoras do 1º Concurso Brasileiro de Cervejas, e os estandes onde estavam as cervejas premiadas foram, sem sombra de dúvida, os mais visitados do Festival, enquanto as premiadas, por sua vez, as que acabaram antes de todas! Bem, mas como funciona um campeonato de cervejas? E como é ser jurada?

Premiação de melhor cervejaria do mundo, vencida pela americana Firestone

O primeiro campeonato do qual fui jurada foi o World BeerCup, em 2012, um campeonato que ocorre a cada 2 anos.  Este é o maior campeonato de cervejas do mundo, e em 2012 foram 799 cervejarias participantes, incluindo aí as de grande porte, de         54 países, num total de 3.921 marcas de cervejas concorrendo em 95 diferentes estilos, o que representou um crescimento de 17,7% com relação ao ano de 2010. No total foram 284 medalhas de ouro, prata e bronze, e a cerimônia de premiação foi no estilo ?Oscar da Cerveja?, com jantar de gala para mais de 500 convidados, no melhor estilo americano.

O campeonato no Brasil foi minha segunda experiência, e me sinto muito orgulhosa por ter feito parte do júri do primeiro concurso do gênero em que haviam apenas cervejas brasileiras.

Aqui no Brasil já sediamos no Festival da Cerveja de Blumenau, ano passado, a Copa Sul-americana de Cervejas, organizada por uma comissão argentina, mas este ano a organização do Festival decidiu que o Brasil, pelo nosso grau de evolução cervejeira, já deveria ter um campeonato apenas com cervejas brasileiras, que inclusive nos ajudaria a divulgar marcas e fomentar o mercado cervejeiro interno.

No 1º Concurso Brasileiro de Cervejas foram avaliadas ao todo 215 cervejas, vindas de sete estados brasileiros em 68 categorias inscritas e, ao todo, 31 cervejarias receberam o prêmio, avaliadas por 18 jurados.

São Paulo ficou com o maior número de títulos, 33. O ranking segue com as cervejarias localizadas no Paraná (26 medalhas), Santa Catarina (16 medalhas), Minas Gerais (14 medalhas), Rio Grande do Sul (nove medalhas), Rio de Janeiro (sete medalhas) e Pará (quatro medalhas).

Cervejas premiadas no Concurso Brasileiro

Os moldes do julgamento são muito parecidos. Os jurados são divididos em grupos que variam de acordo com a organização do campeonato. Aqui no Brasil éramos 5 jurados por mesa, e nos Estados Unidos 7 julgadores. O número ímpar de jurados é fundamental para não haver empates na mesa.

Cada banca de jurados vai julgar, em um dia, diversos estilos, e a cada rodada recebemos amostras que nos chegam servidas em taças iso, vindas de uma outra sala ao qual não temos acesso, sendo que as taças chegam sem nenhuma identificação e apenas são colocadas à mesa. O número de amostras que cada jurado recebe depende do número de cervejas inscritas na categoria. Aqui no Brasil o número máximo alcançou seis amostras por rodada, já nos EUA, um campeonato mundial, tínhamos 12 amostras por jurado das mesmas cervejas.

Num campeonato de grande porte, as cervejas inscritas são muitas e assim várias mesas irão julgar o mesmo estilo, e a cada rodada cada banca de jurados vai descartar as cervejas, desclassificando-as, deixando apenas 3 cervejas que vão se juntar as outras classificadas de outras bancas. As finalistas, num máximo de 12, irão para uma banca de jurados final que irá decidir de quem serão as medalhas.

Aqui no Brasil, funcionou da mesma forma. A única diferença foi que alguns estilos, como Pilsen e Weiss, tinham inúmeros participantes, o que exigiu diversas rodadas, como nos moldes internacionais, enquanto que outras categorias que tinham poucos rótulos inscritos exigiram menos rodadas, em alguns casos apenas uma, e muitas vezes tínhamos apenas 3 rótulos para julgar.

Jurados em ação

Foi por isso que a organização brasileira, sob a supervisão da Mestre Cervejeira, Sommelier de Cervejas e Doutoranda em Leveduras, Amanda Felipe Reitenbach, definiu um sistema de pontos onde as cervejas só receberiam medalhas se alcançassem determinado número de pontos, ou seja, mesmo havendo apenas 3 cervejas inscritas nas categorias, seriam ganhadoras de medalhas apenas as que recebessem notas mínimas para isso. Foi por este motivo que em algumas categorias tivemos apenas medalhas de bronze, ou de ouro e bronze, sem prata, e assim por diante. Justo não?

O julgamento das cervejas começa pela manhã e nosso café da manhã é leve, incluindo aí alimentos que não interfiram drasticamente em nosso paladar. Aos jurados é restrito fumar durante o dia de julgamento. No World BeerCup foram três dias, e aqui no Brasil dois.

Ao longo do dia a banca de jurados julgava em torno de 4 a 6 estilos, e passávamos o dia todo nesta função, começando em torno de 9h, e terminando perto de 18h, com horário de almoço, algo leve como um grelhado, arroz e salada. Nada de alimentos condimentados ou apimentados ou café nos era oferecido. Durante o julgamento, muito mais água do que cerveja. A quantidade de cervejas por amostra é algo em torno de 60 ml, onde devem ser avaliados a aparência das cervejas, de acordo com o estilo apresentado, a carbonatação e a espuma, e a limpidez da cerveja. Os critérios de avaliação variam de acordo com o estilo.

Nós temos a obrigação de saber as características de cada estilo, embora tenhamos a nossa disposição o guia de cervejas, que nos serve como lembrete para rememorar os padrões do estilo. Assim, a cerveja pode ser muito boa, mas se não seguir as regras do estilo, é eliminada por estar fora de padrão. Desvios leves são aceitos, mas de acordo com a flexibilidade que o guia proporciona. Por isso os jurados devem conhecer profundamente estilos e diversidade dentro dos mesmos, tendo consciência dos números quando de trata de avaliação de coloração, amargor e carbonatação referentes ao estilo, sendo assim a ?quilometragem etílica? e experiência do degustador é fator fundamental para se tornar jurado.

Para cada cerveja, uma série de avaliações

Além disso, o jurado deve preencher uma ficha sobre cada cerveja degustada. Esta ficha depois é disponibilizada a cervejaria que produziu a cerveja para que ela tenha retorno sobre seu produto. A ficha vai descrever a cerveja quanto a todas as suas características, inclusive os defeitos, caso a cerveja os apresente. Por este motivo, o jurado deve ser um especialista em avaliar visualmente as cervejas, bem como seus aromas e sabores pertinentes ou não ao estilo, e identificá-los na ficha.

Ufa!!! Pensam que é fácil ser jurado? Muita responsabilidade, atenção e acima de tudo muita água entre uma cerveja e outra. As amostras são apenas degustadas em pequenos goles e os copos voltam com as sobras. Não é brincadeira para amadores! Nada de bebedeira! Temos que nos especializar e treinar nossos sentidos para avaliar cervejas!

Jurados do 1º Concurso Brasileiro de Cervejas 2013

Mas o trabalho é gratificante, e a cerimônia de premiação é uma surpresa muito agradável. Ver os medalhistas receberem suas premiações e poder acompanhar a evolução de cada um, bem como a evolução do mercado cervejeiro tem sido uma experiência fantástica!!!

Cheers!!!