LIMPANDO AS GAVETAS

Me diga você! Costumas guardar recordações de antigos amores?

Tenho amigas que jogam tudo, tudinho fora. Já fiz isso. Na minha primeira separação, quis doar até as minhas roupas. Não por raiva? Por vontade de começar de novo, com tudo novo.

Mas depois disso, comecei a mudar de opinião, não foi uma crise de arrependimento, mas de consciência! Percebi, que as fotos, as cartas, os presentes, as roupas, faziam parte da minha história e história a gente não apaga. Desde então, guardo tudo e pronto.

Ontem mesmo, abri o meu armário e vi a sunga de um ex. Era a que ele mais gostava, hoje ela repousa numa das minhas gavetas, sem culpa alguma. Peguei o pedacinho de tecido e fiz uma viagem no tempo. Me lembrei de quando saímos para comprá-la. De quando ele a usou pela primeira vez e de como foi bom, do quanto fui feliz. Em outra prateleira, avistei, uma camiseta que ganhei com um texto escrito a mão, uma declaração de amor,  que um dia também encheu o meu coração de alegria? Passei então a procurar pelas antigas lembranças.

A melhor fonte é a caixa de fotos, só perde para as cartas, tenho algumas sensacionais, cada uma com sua letra, com seu tom, mas todas de amor. Afinal? Não se briga por cartas. Não a minha geração. Fazemos isso pessoalmente e o que a boca diz, o tempo leva, o que a mão escreve, não!

Encontrei ainda uma blusinha que um ex comprou para que eu usasse no primeiro dia de trabalho, no meu novo emprego. Essa vai estar comigo o resto da minha vida.

E? Como quem procura acha? Dei de cara com um presente que ainda não saiu da caixa. Nunca foi usado. Ganhei de um homem fantasma? Foi o primeiro que passou pela minha vida,  mas tenho certeza de que um dia o tal presente só trará boas recordações, por isso deixo a caixa onde ela ficou desde o primeiro dia!

Tenho uma amiga, que se orgulha de ter entregue a mãe dela, todas as recordações dos ex-namorados, antes de se casar! Na concepção dela, a atitude é em respeito ao marido. Na minha? Foi só uma prova de que as lembranças são importantes demais para serem descartadas e que um casamento hoje pode durar, o tempo de um cruzeiro pela costa brasileira. Cada um tem a sua história e deve preservá-la e sobretudo respeitar a história dos outros. Daqui de casa, não sai uma peça sequer, um pedacinho de guardanapo rabiscado, nada, afinal, como diria o rei, o importante é que emoções eu vivi!