Maquiagem sobre trilhos

É incrível a habilidade que algumas mulheres têm para fazer determinadas coisas.

Dia desses, por exemplo, toda a minha atenção foi direcionada a uma moça que se maquiava. Até aí, nada demais, a não ser o simples fato de que ela se maquiava em um trem em movimento. Achei fantástico como tudo aparecia de dentro de uma pequena necessaire em sua bolsa.

Tudo calculado de maneira metódica. Primeiro, ela passou o corretivo para disfarçar as espinhas, com a ajuda do espelho do pó compacto, que já foi usado em seguida. Depois, fechou o pó compacto e pegou uma caixinha, de onde tirou um estojo de sombras e blush. Levou quase cinco minutos (contados no relógio) para escolher qual usaria.

Escolheu a pior de todas, na minha opinião, mas, afinal, eu não entendo nada de maquiagem. Era um tom perolado, que não combinava de maneira alguma com o tom de pele dela. Mas vai saber se isso está na moda. Daí, para ressaltar a cor que era um pouco apagada, carregou demais na sombra, demarcando a pálpebra. Será que é assim mesmo que se faz? Depois, escolheu um blush rosado e passou com o dedo, carregando bastante, também. Guardou cuidadosamente o estojinho dentro da caixinha, que voltou para a necessaire.

O momento seguinte foi mais tenso: o lápis. Com uma mão, ela segurava o espelho. Com a outra, utilizando uma técnica ninja, segurava o lápis com dois dedos e abria o olho com outro dedo. Foi fantástico. E o trem chacoalhando horrores. Depois, veio a máscara para os cílios.

Em frente ao espelho, parada e com muito cuidado, eu já sofri acidentes terríveis com o rimel. Ela não. Passou três camadas perfeitas nos cílios superiores e uma nos cílios inferiores, de cada lado. Invejei toda aquela habilidade. Ela finalizou com um batom e um brilho.

Confesso que fiquei torcendo por um delineador.  Se ela tivesse conseguido passar o delineador sem escorrer dentro do trem em movimento, daí sim, eu a consideraria uma verdadeira ninja.

Contando essa história para a Liliane Prata, com quem trabalhei em um projeto, ela confessou que já se maquiou no carro. Parado, é claro. E quis saber como ficou a maquiagem da moça do trem. Não ficou legal, mais pela escolha das cores e pelo exagero da produção, do que pela técnica. A técnica foi perfeita.

Então, independentemente de eu gostar ou não do resultado, eu fiquei impressionada. De verdade. Sou incapaz de me maquiar e acho o máximo pessoas que fazem isso com perfeição. Ainda mais em um trem em movimento. Sem contar que ela tomou todo um cuidado para estar com uma aparência bacana e muitas vezes eu me recrimino por não ter disciplina para isso.

Depois, na volta para casa, mais uma vez minha atenção foi absorvida por uma outra mulher. Desta vez no ônibus em movimento. Já era noite e, no escuro, ela retocou o batom. Sem espelho.

Já vi muita mulher passar batom sem espelho, mas com o ônibus sacolejando na estrada, foi a primeira vez.

As mulheres são seres curiosos, com toda essa capacidade de fazer várias coisas ao mesmo tempo e com uma perfeição invejável. E em movimento.

Amanda de Almeida