MUITO e tão pouco!

Quantos quilos você tem?

Qual a sua altura?

Qual a sua idade?

Quantos batimentos cardíacos você tem por minuto?

Tudo isso tem peso ou medida. E como é bom ter respostas?

Pena  que  sentimento não se mede e nem se pesa.

Lembrei-me disso durante o fim de semana porque sondei sentimentos antigos meus. Passeando por Guaratinguetá, passei perto do que sobrou da antiga e famosa Ponte Velha que na minha infância era a única opção de atravessar o Rio Paraíba.

Naquele momento subiu um arrepio pelo meu corpo todo. Porque toda vez que passava pela tal ponte um medo enorme me consumia. O barulho e o balanço da estrutura de ferro, os pontos de ferrugem, tudo isso me levava a crer que meu destino era o fundo do rio. O meu e de todos os outros que faziam a travessia, velhos, adultos, casais apaixonados, bebês e outras crianças como eu! Em alguns momentos tinha vontade de correr, de fechar os olhos? E nunca dividia isso com ninguém. E o pior, muitos anos mais tarde, a ponte caiu!

Reviver o medo me fez pensar, em como as crianças sentem pânico por quase nada. Nossa imaginação e a falta de informação nos fazem reféns do medo.

Eu, por exemplo, passei anos da minha vida, sem conseguir usar o sanitário da escola, por causa da maldita ?Loira do banheiro?.

Sofria calada também com o álbum de casamento dos meus pais? Eu jurava que meu pai ficou doente durante a cerimônia. Tudo porque, quando ele recebeu a hóstia da comunhão, estava de olhos fechados na foto. Contemplava o retrato sofrendo por ele e não perguntava nada a ninguém. Pode? Cada um tem o bicho papão que merece.

Mas quando somos criança? A felicidade também é imensa e na maioria das vezes por tão pouco.

Quero de novo quase morrer de felicidade quando receber uma travessa de bolinhos de chuva nas mãos, quando for minha a raspa da lata de leite condensado, quando ganhar uma corrida de bicicleta, quando for a primeira do grupo a dizer: Um, dois, três, comigo não morreu. Quando tomar chuva!

Enfim, foi um dia para não me esquecer de como é simples ser feliz e como é fácil vencer medo. Valeu a pena rever a ponte.