Não invisto em marketing

Não invisto em marketing

Outro dia saí caminhando para visitar alguns empresários para promover um curso de marketing digital. Batendo de porta em porta junto ao comércio nas redondezas, aproveitei para conhecer melhor o perfil dos estabelecimentos e filtrá-los para uma futura prospecção de negócios. A região aqui no bairro onde eu moro é bem diversificada, aliás, em Itajaí, com exceção da via gastronômica, não temos uma área onde se concentre estabelecimentos segmentados por área de atuação.

Entrei em uma serralheria. De cara já fiquei surpreso, nenhuma portaria ou portão fechado para impedir a entrada de estranhos. O local é um misto de residência e fábrica. Me encaminhei para um anexo, com uma pequena sala, e encontrei um senhor ao telefone e uma senhora a sua frente.

Enquanto eu aguardava aquele senhor completar a sua conversa ao telefone, fiquei observando discretamente o ambiente. Poucos móveis, apenas uma escrivaninha, uma poltrona simples para a pessoa que usava aquela mesa e duas cadeiras para os visitantes. Chamou a minha atenção o feltro sobre a mesa, o vidro sobre o feltro e muitos cartões de visitas posicionados desorganizadamente embaixo do vidro (quem já fez isso, sabe que aqueles cartões de visitas nunca ficam no lugar), um espaço que tinha tudo a ver com aquele senhor grisalho, aparentando uns 70 anos, que agora já se encaminhava para encerrar a conversa ao telefone.

Ele me cumprimentou e respondeu alguma coisa para aquela senhora ao meu lado, que por certo era sua esposa e que em seguida deixou a sala.

Perguntei se eu podia tomar um minuto da sua atenção, lhe entreguei meu cartão de visitas, me apresentei, entreguei um flyer e expus o que eu estava vendendo: um curso de marketing digital. Não levei mais do que um minuto para lhe apresentar o curso e durante a minha curta fala ele o tempo todo ficou me olhando nos olhos. Em nenhum momento olhou para o* flyer* em suas mãos já enrugadas.

Ele me devolveu o flyer, agradeceu a minha visita e justificou o seu desinteresse informando que está há mais de 30 anos no segmento, e que não investe em publicidade e marketing e que nunca investiu em todo esse tempo, porque sequer consegue atender a demanda existente.

Agradeci e fui embora. Aquele empresário navegava em mar aberto e calmo e longe, muito longe de qualquer crise e pelo visto sempre foi assim. Deduzo isso, por alguns fatores:

  1. O portão de acesso a sua empresa/domicílio escancarado para o visitante;

  2. A sala do escritório pequena e sem qualquer decoração NÃO é o seu local de trabalho, ele deve adorar o “chão da sua fábrica”;

  3. Toda a área ao redor de um galpão, da casa e do escritório estava limpo, muito limpo e organizado;

  4. Ele aparentava ser uma pessoa de bem com a vida;

  5. Foi gentil e em nenhum momento demonstrou que queria se livrar da minha visita.

Insight do Lavador de Louça

Aqui estou eu, reduzimos os dias de trabalho da diarista para reduzir as nossas despesas fixas, desde então, além de cuidar da Georgia (Lab, 10 anos) e da Suzi (Vira-Lata, 3 anos), dentre outras coisas, me compete lavar a louça... rsrsrs.

Estive pensando, considerando que a crise bateu a nossa porta, se eu fosse proprietário de uma serralheria que pudesse atender maior demanda, eu selecionaria alguns concorrentes e os visitaria, munido de cartões de visitas, flyers ou fotos dos meus trabalhos.

Eu me apresentaria informando exatamente quem eu era e que buscava mais serviços em vista da minha ociosidade parcial, e solicitaria ao meu concorrente que caso não tivesse condições de atender um determinado serviço, que me indicasse.

Eu também lhe solicitaria para conhecer a sua serralheria e trataria de observar a organização geral, limpeza, ferramental, etc., etc., solicitando que me visitasse afim de poder retribuir a atenção que me fora dada.

“Enquanto eles choram, eu vendo lenços” é uma citação que intitula a biografia do publicitário Nizan Guanaes e é uma frase inspiradora para quem quer superar suas dificuldades se reinventando e saindo ao encontro de oportunidades.

Visitar o “velho” serralheiro pode ser o primeiro passo. O outro pode ser começar verificando como está a atualização dos seus dados nas mídias sociais. No Elefante Verde Itajaí a sua serralheria pode estar precisando de manutenção... ;)

N.E.: Se você conhece algum caso semelhante, ou se ao ler este post teve algum insight, registre-o no comentário abaixo. Estaremos nos inspirando e inspirando nossos leitores.

Este post abre a minha série de publicações no Insights do Lavador de Louças no Tumblr.