O que você sabe sobre hostels?

ctx-header-oviajantenaeuropa131

Nosso parceiro, Campina Hostel, traz para você dicas bastante interessantes que abordam esse tema (hostel) tão pouco discutido, mas que é de grande relevância, principalmente para quem gosta de viajar com economia, sem abrir mão do conforto e de um ambiente aconchegante, com um atendimento diferenciado. A matéria é repleta de informações que, com certeza, esclarecerão muitas dúvidas sobre o que é um hostel.

convivência03

Confira a matéria:

* O novo conceito de hostel e seu público*

Para alguns, quando se fala em* hostel ou albergue da juventude, a imagem que se vem em mente é uma *hospedagem desconfortável, apertada, cheio de camas do tipo beliche, sem qualquer preocupação com qualidade de serviços ou design do mobiliário, geralmente localizados em casas adaptadas e com gestão familiar ou informal. E com tarifário barato, muito barato a ponto de não ser chique ou “cool” se hospedar em um.

 

Ocorre que este tradicional conceito de hostel está há muito ultrapassado em vários locais do mundo como Argentina, Chile, Colômbia, Uruguai, Estados Unidos, diversos países da União Europeia e… Brasil!

 

Sim, o brasileiro está aderindo e aprendendo a utilizar este novo tipo de hospedagem, tendo em vista também a nova safra de hostels de alta qualidade que se instalou aqui recentemente.

 

Digo que o público brasileiro está “aprendendo” a utilizar este novo tipo de hospedagem, pois o brasileiro tem uma cultura bastante diversa de outros povos neste aspecto.

 

Quando um brasileiro viaja ele prioriza essencialmente o bem estar e o conforto. Ele só sairá de casa se o local que ele for se hospedar for melhor ou igual a sua casa em matéria de conforto. Já o estrangeiro não. O estrangeiro está interessado essencialmente em conhecer o local, em fazer passeios, e em gastar seu dinheiro com sua bebida favorita, além de uma boa comida e boas companhias.

 

E você sabe o que atualmente um bom hostel oferece? Uma hospedagem com espaços muito bem decorados, quartos com mobiliário impecável e de primeira, inclusive suítes, passeios, traslados, eventos, aulas diversas (dependendo de onde o hostel se localiza, pode ser desde aula de surf ou forró, até aula de capoeira ou culinária) e um bar animado dentro do próprio hostel aonde as pessoas interagem.

 

Que os “gringos” são público alvo deste tipo de negócio todos sabem, mas, e os brasileiros? O que têm levado os mesmos a se hospedarem nos hostels?

 

Os novos hostels atingem em cheio o público jovem que, tendo ou não viajado ao exterior, conheceu e aprovou o “novo” hostel. Este público busca uma acomodação com preços acessíveis, não necessariamente de baixo custo, em ambiente moderno, confortável e seguro, somado a uma convivência social intensa e prazerosa durante o período de sua viagem.

 

Além disso, cresce a cada dia o número de brasileiros que desejam viajar sozinhos com interação no próprio hostel. Executivos jovens em viagens de trabalho também são alvos dos Hostels.

 

O conceito moderno de hostel já existe na Europa – os de Lisboa são top of the list com vários bons exemplos – Argentina, Colômbia e outros países vizinhos ao nosso também conhecem há muito este novo conceito.

 

Os hostels estão tão sofisticados e profissionalizados na América do Sul que existem diversas cadeias de hostels com, inclusive, unidades já instaladas junto às maiores cidades do Brasil em sistema de franquia ou arrendamento.

 

Atualmente no Brasil também temos vários belos exemplos, de norte a sul do país, cuja existência por muitas vezes foi impulsionada pela chegada dos grandes eventos esportivos.

 

Por fim, devo dizer que o novo hostel mudou em tudo: qualidade, preço, público, com gestão profissional, em local planejado e arquitetado especialmente para seu funcionamento.

 

Texto de Patrícia Azeredo Coutinho

Fonte: Site Hotel News (http://www.revistahotelnews.com.br/2009/opiniao.php?get_op=258)