O Ser Humano é o Cara... Será?

Homem e NaturezaHomem e Natureza

Que bom que as coisas não são exatamente como queremos, porquê se fossem, seriamos muito mais hipócritas do que normalmente somos…

Tivemos a brilhante ideia de nos acharmos supremos, mas será que somos superiores mesmo? Em que? Somos mais importantes que os outros seres vivos? Uma árvore por exemplo; nos dá sombra, seus frutos que nos alimenta, sua madeira e derivados e como se não bastasse por vezes é também medicamentosa.

Então, vem o Ser Racional Megalomaníaco e a destrói, e imbuídos de tamanha prepotência consegue o impossível “ignorar” a beleza e a perfeição da natureza.

Mata por prazer os animais e seus semelhantes, polui os mares e fabrica lixos os quais é incapaz de carregar, perdendo o rumo e tornando-se tão descartável quanto as roupas e sapatos que usa….. E nessa brincadeirinha, a Boa e Velha Mãe Natureza cobra em Royalties o seu preço, o qual apenas estamos começando a pagar.

Incrivelmente a bola mundo está sempre em busca do equilíbrio, tão qual numa sessão de Pilates, muda seus movimentos, alterando as chuvas, causando catástrofes tanto por seca, quanto por enxurradas… Começando o cumprimento da maior profecia mundial, que prediz a escassez da água.

As leis são criadas e “descriadas” na mesma velocidade em prol de benefícios de poucos, incrustados de conveniências é claro…ah! falo de bem poucos…… Quantos? Quem? – Que pergunta! Sabe aquele Super Racional Megalomaníaco? Pois é! Ele está na lista dos poucos…

Afinal de contas é o seu sentimento que é válido, o seu tempo é o mais importante, o seu, o seu, o seu… sempre O SEU… Sua limitação é amenizada ou inexistente, afinal de contas como diria o rei Roberto Carlos: ELE É O CARA! Rsrs

Tirando o foco do ativismo ambiental porque, por enquanto não fazemos parte do Greenpeace ,e voltando o texto a um diálogo mais geral focado naquele SRM (Ser Racional Megalomaníaco), o que ocorre é que o tempo todo buscamos a similaridade e mal sabemos enxergar as diferenças e consequentemente somos um desastre nas adversidades.. Ou seja, se é diferente de mim, é claro que não pode ser tão bom quanto!

A ganância envenena a alma humana fazendo com que vivamos em meio o ódio, miséria e banhos de sangue, temos quase mais balas perdidas do que fogos de artifícios… Quase temos mais crianças mortas atingidas por essas balas do que brincando nos parques de diversão… Isso é um absurdo! Onde vamos parar com isto?

A mesma máquina que nos dá abundancia nos priva da vida, nos tornando seres inteligentes mas, insensíveis e cruéis e, o pior, infelizes..

Seguimos os passos da falência humana, onde princípios não são levados em conta, as famílias de desagregam e os limites se dissipam!

Pensamos demais e sentimos de menos, e numa contabilidade louca desaprendemos a computar emoções boas como: bondade, gentileza, afetividade, compaixão, contentamento e etc…somamos as ruins como intolerância, a frustração, raiva, mau-humor, desprezo, cobiça, hostilidade, inveja, frieza, agressividade, arrogância etc…

Aí meu povo, perdemos a empatia, e quando fatalmente conseguimos descobrir que não somos SUPREMOS em nada, mergulhamos num remorso profundo, nos deixando apenas como saldo final da contabilidade a “nostalgia”…

Embora seja muito bom saber, que a nostalgia não trás nada de volta, e sabe aqueles Royalties falado acima, lembra? Pois é! Virou dívida ativa…

Ser empático é bem mais que fazer um assistencialismo banal, onde damos um pão ou uma roupa velha da qual não usamos mais e nos julgamos os bons, pouco nos importando com aquilo que não transparece. Nesse caso, não dê nada a ninguém, seja simplesmente humano, porque alguém deve está procurando por essa similaridade…

Agora, se mesmo assim você ainda se achar um ser SUPREMO, plante pelo menos uma árvore, cuide do seu semelhante e do seu lixo, não ignore a natureza e não faça parte do grupo que mata por prazer, porque ao menos dessa forma você não será MEGALOMANÍACO.