PORTA DA VERGONHA

No meu tempo de menina e isso já faz algum tempo? Cair em desgraça, era ter o nome escrito na porta do banheiro da escola. Era uma espécie de mura das lamentações, ofensas, fim da feira. Faltava espaço pra tantos palavrões e desenho obscenos.

Funcionava assim: Você entrava, se sentava no vaso, olhava pra porta e se o pior tivesse acontecido, saía de lá sem cor, pronta para encontrar quem havia jogado o seu nome na lama, ou melhor na porta.

Professores também eram vítimas, mas a maioria nem tomava conhecimento, afinal usavam banheiro privativo.

Claro que nem tudo era desgraça, muitas meninas usavam a tal porta para fazer declarações de amor, dividir a dor da saudade? Diversas vezes encontrei a frase: ??Fulano de tal E.T.A?

Outra função da porta do banheiro era contar pra gente quem estava se amando. Sim? As meninas escreviam assim: Fulano de tal e Beltrana se amam eternamente! Os poemas eram outro alívio para os olhos.

Me lembrei de tudo isso, pra deixar claro que sou uma mulher, como tantas outras da minha geração, muito experiente em redes sociais! Elas já existiam há muito tempo. Meu Facebook, começou na porta do banheiro da escola, alcançava menos pessoas, mas as consequências eram muito parecidas e tão perigosas quanto hoje em dia no mundo virtual!