Qual é mesmo o padrão?

Adoro conhecer e conversar com pessoas diferentes e sempre acho que vou aprender algo ou até mesmo ensinar. Esta semana estive conversando com um jovem muito inteligente e talentoso. Durante a nossa conversa, que durou alguns dias (pois foi por e-mail), percebi que ele poderia usar seu talento para criar algo novo em sua vida.

Você já passou por aqueles momentos onde você tem a sensação de que tudo que fez não ajudou em nada? Sim, já, porque na verdade aquilo ainda não lhe trouxe dinheiro ou fama. Este jovem também passou por isso, como fez tanta coisa diferente e hoje não trabalha diretamente na área, pode ser que ainda não tenha percebido o tamanho do seu aprendizado.

Quantas pessoas você conhece no mundo que sabem exatamente a mesma coisa que você sabe? Eu não conheço ninguém. Existem as que sabem mais e as que sabem menos, mas exatamente igual a você não existe. Como assim, você me pergunta, se fizemos a mesma escola e a mesma faculdade?

Mas não se interessaram pelos mesmos assuntos, não gostavam das mesmas matérias e não tiveram os mesmos desejos o tempo inteiro. Como o mundo seria chato se todos soubessem a mesma coisa que nós, não é mesmo? Bom, mas quero chegar ao ponto do título deste texto, o padrão.

Qual é mesmo o padrão? Padrão de que? Padrão para que? Será que Albert Einstein seguia um padrão? E Steve Jobs? Pensando bem acho que não, imaginem como deve ter sido para eles lidar com isto. Foram chamados de loucos muitas vezes.

É isso que gostaria que vocês observassem em suas vidas. Será que tudo o que você fez até hoje não lhe serve para nada? Se pensar com a cabeça dos outros realmente não vai fazer nenhum sentido mesmo, porque as pessoas querem que a nossa vida entre no padrão delas, porque infelizmente ainda temos alguns ?loucos? em nossa sociedade que acreditam que o que eles acham é sempre o mais certo. E para você o que é o mais certo? O que é importante?

O certo não existe, o que é certo para mim não é para você, o que é bom para mim pode não ser para você. Por este motivo que convivemos com tantas pessoas arrogantes, chatas, tristes e irritadas. Todas as vezes que tentei entrar em algum padrão sofri e até hoje quando percebo que estou entrando em algum padrão que não é o meu, o resultado é sofrimento.

Sofremos porque não somos nós e desconsideramos nossa bagagem. Sofremos porque queremos dar certo, mas será que já não demos certo? Claro que demos, fazemos coisas que outros não fazem. Isso é dar certo. Saber lidar com as diferenças não é apenas aprender a lidar com as diferenças sociais que aprendemos na tv, mas acima de tudo é respeitar a bagagem de cada um e saber que estamos trocando informações o tempo inteiro enriquecendo o nosso mundo.

Se não fosse por estas diferenças não aprenderíamos uns com os outros. Vão em frente, usem seus talentos e não deixem que os outros digam que você não chegou a um padrão de sucesso. O sucesso não tem receita, não há moldes. Se tivesse todos estariam em um mesmo nível. O sucesso é uma trajetória que cada um segue da maneira que mais lhe agrada.

Acredito em um dia onde vamos aprender e ensinar aos que estão chegando que o maior sucesso que podemos ter é respeitar a diferença e apostar no talento de cada um.

Sucesso!

Daniela Rosa
daniela@attitudecoach.com.br
www.attitudecoach.com.br