Raio-X: Os 3 Ms de Marilucy

Pensando em trazer entrevistas de pessoas relevantes na cidade e, com isso, mais informações a você, usuário, o Elefante Verde lança a seção de entrevistas ?Raio X?.

Começamos falando dos 3Ms de Marilucy Cardoso, jornalista da TV Diário: Marilucy, mãe, mulher. Confira!

mari

Marilucy

EV ? Você passou por outras emissoras antes de iniciar os trabalhos na TV Diário. Como foi esse processo de evolução em sua carreira?

Fui evoluindo, se posso dizer assim, aos trancos e barrancos. Quando via uma oportunidade de crescimento profissional, fazia as malas, pegava as crianças e ia embora. Desta forma passei por seis emissoras, entre elas, a SPORTV, até chegar à TV Diário, afiliada da Rede Globo em Mogi das Cruzes, onde estou há 14 anos e consolidei algumas conquistas importantes, como o credenciamento para fazer matérias para o Jornal Nacional.

 EV ? Qual a sensação de participar desde o início de uma emissora afiliada da Rede Globo que cresceu tanto como a TV Diário?

Digo sempre que esse ganho profissional ninguém me tira. As dificuldades enfrentadas pelo grupo que abraçou a instalação da emissora em Mogi das Cruzes modificam e amadurecem qualquer profissional. É uma sensação de fazer parte de uma história que segue em movimento e que um dia, para mim, será uma das melhores lembranças da minha vida. Tenho um amor incondicional pela cidade, certamente por ter tido a oportunidade de conhecer pessoas e lugares, que muitos que nasceram aqui não tiveram.

* *

EV ? E sobre a sua participação na matéria Dormir ao Volante, que foi ao ar no Fantástico em 2012, como surgiu a oportunidade?

A direção do Fantástico convidou um repórter de cada uma das afiliadas para fazer um intercâmbio na redação do programa. Isso, para que pudéssemos conhecer melhor a linguagem do Fantástico, que é totalmente diferente dos telejornais de rede, e também para estreitar a relação Fantástico/afiliada. Aqui de Mogi das Cruzes, eu fui a escolhida, o que me deixou extremamente feliz. Deveria passar 15 dias em São Paulo e acabei sendo convidada para mais 15. Além da reportagem sobre sono no volante, fiz outras duas com repercussões bem bacanas. Experiência Fantástica.

* *

EV ? Quando ainda era um foca (jornalista em início de carreira), imaginava que seu trabalho tomaria tal proporção?

Sabe, não posso dizer que a proporção da minha carreira é enorme, porém, quando olho a minha volta e vejo que tudo o que fiz, cercada por três filhos, divorciada e longe da minha família, acho que a proporção é gigantesca! A cada filho que nascia, minhas chances como repórter de televisão diminuíam, mas eu estiquei ao máximo e estou aqui.

EV- Pouca gente sabe, mas você foi professora universitária por nove anos. Sente falta desta jornada acadêmica? E qual a sensação de ser referência para seus ex-alunos?

Não sinto falta, estive na academia enquanto isso me completava e fui muito feliz dando aulas, tenho orgulho imenso de muitos dos meus ex-alunos. Agradeço imensamente a UMC pela oportunidade, pelo aprendizado, mas essa fase passou.

Marilucy Mulher

EV ? Para relaxar, o que você prefere fazer? Exercícios, leitura, viagens?

Cozinho. O melhor lugar do mundo pra mim? É a cozinha. Depois, adoro meu pilates, a leitura e meu blog.

EV ? Se você pudesse fugir para um lugar sem se preocupar com a volta, para onde iria? E qual música embalaria esta aventura?

Engraçado, não sou de fugir, sou de ficar! Mas quando vou, sempre encontro motivos para me apaixonar pelo lugar, pelas pessoas, pelos costumes, ando querendo ir a um lugar? Herdade da Comporta, antiga propriedade rural de uma família e último refúgio de praias virgens da Europa, que fica em Portugal. Se der, um dia chego lá! Sobre música, isso eu adoro, tenho uma para cada momento da minha vida. Mas para embalar essa viagem a Portugal, escolho Wave, de Tom Jobim: ?Vou te contar/ Os olhos já não podem ver/ Coisas que só o coração pode entender/ Fundamental é mesmo o amor/ É impossível ser feliz sozinho?.

EV ? Como você consegue conciliar a vida corrida do jornalismo com assuntos pessoais? Dá tempo de fazer tudo que gostaria?

Não dá tempo? Não concilio? Risos? Misturo tudo e cada coisa tem prioridade em momentos alternados, de acordo com a necessidade.

Marilucy Mãe

EV ? Falando em vida corrida, como fica o tempo em relação aos seus filhos?

Pobres filhos? Eles cresceram sabendo que a profissão da mãe era o sustento da família e que sem isso, não estaríamos juntos, como sempre estivemos. Na minha maluques, como diria Raul Seixas, tentei dar a eles presença de qualidade e não de quantidade. Mas, reconheço: minha ausência foi muitas vezes severa com eles, tenho que admitir. Só não carrego culpas, nem pretendo carregá-las. Fiz o que deu e como deu.

* *

EV ? A Marilucy mãe é muito diferente da Marilucy jornalista?

Penso que sim. Minha profissão tem papel determinado em minha vida. Não vivo como jornalista, trabalho como tal.

EV ? Já consegue ver uma caída jornalística em algum deles?

Se vejo, faço de conta que não enxerguei. Sinceramente não gostaria que eles seguissem a minha profissão. Do mais velho escapei, será engenheiro, pelo menos por enquanto. Já os outros dois, sigo de dedos cruzados, para que o caminho seja diferente do meu, no que diz respeito à vida profissional. Esse sacerdócio é um vício gostoso, mas envolve muito sacrifício. Já basta um em cada família.

mary blog

Agradecemos a Marilucy Cardoso pela entrevista.

Em breve, mais entrevistas. Aguardem!