Sapore Especial - 5 vinhos de até 50$

Bons vinhos por até 50$

Bom dia Mogi!

Entrevistamos Felipe Valdivia, sommelier do Frial Emporium que escolheu cinco tipos de vinhos para este inverno e indicou um rótulo de cada tipo por até 50 reais. A escolha do valor foi estratégica. Quem ainda não conhece muito ou ainda não é completamente apaixonado por vinhos, fica receoso em investir uma quantia alta por dois motivos. A pessoa não tem certeza se a escolha vale quanto se paga, e teme não saber se aquele vinho era realmente uma boa escolha. Algo como quando um amigo aparece com um vinho de 20 e poucos reais delicioso, e você lembra que você pagou 70 no vinho que ninguém se animou a beber.

Sapore- Felipe, boa tarde. Gostaria de começar a conversa com uma apresentação, eu sei que você é chileno. Conte mais sobre você.
Felipe- Bem, a cultura chilena é a cultura do vinho, é algo familiar, bem arraigado. Eu venho disso, dessa cultura. Quando o Brasil teve abertura das importações e as pessoas começaram a se relacionar com vinhos, comecei a ver algumas distorções, como por exemplo o ?endeusamento? de um vinho. Então comecei a desenvolver um pensamento crítico sobre o comportamento do brasileiro com relação ao vinho, para mostrar que a cultura do vinho é muito mais acessível do que se mostra por ai. A ideia é torna-lo mais próximo das pessoas, este tem sido meu trabalho: desmistificar o vinho.

S- Por onde começar?
F- Não procurar vinhos caros, procure boas uvas e bons produtores. É interessante começar por variedades de uvas.

S- Por exemplo?
F- Caubernet Sauvignon brasileiro e chileno, paga-se o mesmo valor pelos dois rótulos, porém no chileno conseguimos sentir melhor o sabor daquele tipo de uva. Então precisamos pegar uma boa uva de um bom representante, e não é o valor que vai ditar isso. Não defendo muito os chilenos não, mas é bom como exemplo. E o motivo é simples: eles fazem bem feito e em grande quantidade. Além do tipo e do produtor, a região de origem também faz diferença, como os Tannats uruguaios.

S- Lí há pouco tempo que o mercado brasileiro estava se abrindo para os vinhos sulamericanos de maneira mais intensa, e os produtores brasileiros estavam receosos e queriam criar uma lei de proteção ao vinho nacional. O que você acha disso?
F- Protecionismos sempre são ruins, estamos em um livre mercado e os melhores vão se destacar e ganhar mercado.

S- É o caso por exemplo dos espumantes brasileiros, que tem recebido diversos prêmios internacionais?
F- Exatamente, assim como eles ganham mercado os outros também merecem a chance. Mas outro fator entra nesta equação: a produtividade do Brasil e dos outros países sulamericanos com relação ao vinho. Os outros países produzem em quantidades maiores de diversos tipos de vinho, assim como o Brasil produz diversas cepas de cana para a produção de alcool e os outros países não conseguem aocmpanhar.

S- Para entender melhor cada tipo de vinho, qual é o caminho?
F- Existem cinco fatores que qualquer pessoa deveria considerar ao experimentar um vinho: Os taninos, aquela sensação de maçã verde, que amarra a boca. É uma sensação agradável?; A acidez do vinho, se ela é agradável ou não; O alcool deste vinho, chega a ser muito alto? É mais suave?; A persistencia do sabor na sua boca, depois de algum tempo o sabor ainda está presente; E a potência deste vinho, como a diferença de intensidade entre o maracujá e pepino.

S- Bom, agora que temos uma boa introduçao do assunto, quais serão os cinco tipos indicados para o frio do inverno mogiano?
F- Se você quer se aventurar no mundo dos vinhos, convem formar um parâmetro. Escolha um tipo leve, um forte, e os outros que seriam intermediários. Como estamos no inverno, vamos falar de vinhos tintos. O mais leve dos tintos é o Pinnot Noir, e é o tipo de vinho que se uma gotinha cair em uma camisa não será preocupante, de tão leve que é. O outro extremo seria o Tannat, que é o mais tânicos dos vinhos. O Tanino do vinho vem da uva Tannat. Esta é uma uva superpotente, que poderia até estragar uma toalha (manchar). Apesar de existirem exemplares bem domados, o Tannat é bem forte. Dica: procure não apostar em vinhos tratados com madeira, por não saber se o sabor da uva é aquele ou o da madeira.

Existem eventualmente tipos de vinhos que se completam com a madeira como os Pinnot Noir e os Tempranillos. Alías, o Tempranillo é um bom tipo de vinho espanhol (clássico) e também é uma das uvas indicadas. O Cabernet Sauvignon também é um excelente tipo para experimentar. Por fim temos o Merlot. Ele é um bom contraponto ao Cabernet S., e por ser mais pesado. Seria a mesma relação que temos com a água e água de coco. A água de coco é bem mais pesada.

S- Bom falar sobre água, pois no barismo ela é usada com gás para limpar a boca das pessoas antes do café. O mesmo se aplica aos vinhos?
F- Exatamente, o gás carbonico ajuda a limpar a boca e a lingua e ajuda a sentir o verdadeiro sabor da bebida. Alías, bebidas espumantes secas, ajudam a abrir o apetite. Os doces matam a fome e devem ser evitados. O único problema com a água com gás é que normalmente ela vem gelada e isso anestesia a lingua, e acaba com a percepçao de sabores.

S- Bom vamos ver se entendi tudo: Em uma ponta temos o Pinnot Noir, mais suave. Na
sequência o Tempranillo, aquela variedade clássica espanhola. Depois, Cabernet S. e Merlot. Para fechar temos o Tannat que é uma uva mais potente. Tudo certo?
F- Exato. O interessante é que cada vinho e cada nome tem uma história. Esta é a nossa seleção de uvas, em outra bate papo conto mais sobre cada uma.paladar.

S- Bom, agora que já temos os tipos, vamos aos rótulos por menos de 50 reais. Com qual começamos?
F- Bom, o Pinnot Noir pede sua região clássica, França ? Borgonha. Pinnot Noir é sinônimo de Borgonha. O melhor deste tipo normalmente chega ao Brasil na faixa de 100 reais. Na faixa de 40 reais temos o Pinnot Noir chileno, que não é a mesma coisa de um Borgonha, mas ajuda a entender o sabor da uva sem ter que pagar 100 reais. Sugiro: Adobe ? Pinnot Noir ? Chileno, de 40 a 44 reais. Vale lembrar que o Pinnot Noir tem uma produtividade baixa, e por isso seus vinhos costumam ser mais caros.

Os tempranillos, escolha preferencialmente sem madeira. Indico: Pharos da região de Rioja, também na faixa de 40 reais. O Merlot é uma uva mais alcoolica e densa, menos ácida. Quanto mais ácido, mais leve ele vai parecer. A salivação é ativada como em vinhos ácidos, por conta do seu teor alcoolico. Os vinhos Ramirana e Ventisquero fazem bem esse papel e também estão na faixa dos 40 reais. Fraça e Chile são bons produtores desta uva.

O Cabernet S. francês é muito bom, mas é muito dificil de encontra-lo sozinho, pois usam esta uva para fazer o bordeaux. Diversos países produzem bons Cabernet S., entre eles Chile, Argentina e África do Sul. Indico: Emiliana ? Chileno e Shakana ? Argentino, densos e pigmentados. Ambos na faixa de 40 a 50 reais. O Tannat se deu muito bem no Uruguai, mas é proveniente dos Pirineus. A casa H. Stagnare é um ótimo representante na faixa de 40 reais. O vinho apresenta claramente o que é um bom Tannat.

S- Ainda temos um grande leque de coisas para falar sobre vinhos, mas acredito que seja melhor continuar em outro bate papo. Acho que conseguimos mostrar 5 bons tipos de vinho e 5 bons rótulos para curtir este inverno. Todos os vinhos podem ser encontrados no Frial Empórium. Felipe agradeço muito a nossa conversa, e todas as dicas que você deu. Você tem alguma dica final?
F- Duas coisas: Ao abrir um vinho, deixe o vinho respirar um pouco antes de bebe-lo, e a temperatura do vinho pode intensificar ou atenuar o tanino. Isso quer dizer que ao servir um vinho, você pode dizer se o vinho precisa resfriar mais ou menos para ficar perfeito ao seu paladar. Mas isto é assunto para o próximo bate papo. Obrigado pela visita!

S- Nós é que agradecemos, obrigado por nos receber.

Felipe Valdívia é Sommelier no Frial Emporium e tem um livro publicado ?Desmistificando o vinho?, que pode ser comprado diretamente nesta loja. Visite o espaço, que fica na Vila Oliveira.

Para fechar com chave de ouro, o Elefante Verde fechou uma parceria com o Frial Emporium e vai oferecer um curso de vinhos com exclusividade para os seus usuários. Acesse o site e saiba mais sobre o curso, e valores. São apenas 36 vagas, corre!

Se ainda não conhece, leia as outras edições, e até o próximo Sapore!
P.s.: Aprecie com classe e moderação. ;)