SER OU NÃO SER...

Eu sei quem sou, por onde andei, a quem amei, por quem sofri, quando chorei, quando soltei o riso. Sei quando fui feliz e quando não fui. Sabe por que, sei tudo isso?

Porque fiz as minhas escolhas. Sou um pessoa que tem orgulho do time que torce, dos amores que vivi, dos corações que parti, dos amigos que fiz, das amizades que terminei, da profissão que escolhi, pronto tudo foi uma escolha?

Por muitas vezes escolhi com pressa, com emoção, sem pensar muito?

Outras tive calma, tive tempo, tive conselhos? Mas essas, foram raras.

De tudo, tenho uma certeza, paguei por todas as escolhas, certas ou erradas.

Se eu disser que a criatura que veste preto e carrega uma foice já me cobrou, você acreditaria? Se dissesse que meu anjo da guarda já me salvou, pensaria que sou louca?

Já aconteceu? E hoje aos 39 anos me sinto sem escolhas? Me sinto com medo delas, em fuga. Finjo que elas não existem, que não preciso delas, que o meu vazio me basta, que a obra foi terminada. Está tudo ok!

Não, não está? Me vejo como uma personagem de uma tragédia grega, sem escolhas, sem motivos, sem coragem.

Se estou com medo?

Estou assustada, certa de que a escolha, por não fazer escolhas, vai me custar caro.  Por outro lado sei que quando a fatura chegar, pagarei e aprenderei o que este momento da minha vida quer me ensinar.

Comigo, é preto no branco, dente por dente e olho por olho. Isso, hoje em dia me paralisa, me deixa sem rumo? Sei quem sou, mas não sei o que será de mim!