Última parada: Londres!

A missão de trabalho em Londres era mais light, então pude curtir um pouco dos amigos queridos que moram nesta fantástica megalópole, e parti em busca dos pontos turísticos, museus e, claro, os famosos pub`s ingleses!

Meu cicerone nos passeios etílicos em Londres foi Sir Alan Bradley, um senhor irlandês que já foi dono de Pub e agora reside na Cidade. Cheguei ávida ao primeiro pub em busca de novidades do Reino Unido, mas me deparei com as tradicionalíssimas Fuller`s, as Greene King, Old Speckled Hen, além de Stela Artois e a famosa cerveja francesa Kronenbourg 1664, *nada contra, mas essas eu bebo por aqui, com exceção da 1664, um excelente *pilsen que já não tem vindo ao Brasil.

Segunda tentativa e a mesma realidade! O tradicionalismo inglês não está apenas nas charmosas cabines telefônicas vermelhas, nos táxis TX4, aqueles modelos antigos engraçadinhos, e na pontualidade britânica, mas também nas cervejas servidas nos pub`s antigos que estão por toda a cidade, pertencentes às grandes cadeias e que têm contrato com as cervejarias que produzem as típicas Ales Inglesas.

Não são apenas as cervejas que seguem o modelo tradicional, mas também o serviço. Os conhecidos pints, de precisamente 568,26 ml, e half pints, ainda continuam sendo utilizados como copos para servir as cervejas que são, na maior parte das vezes, avermelhadas, com teores alcoólicos em torno de 5%, pouca formação de espuma, com sabores ligeiramente caramelados e médio amargor para os dias de hoje, haja visto que no passado eram as mais amargas do mundo e hoje são superadas pela Imperial IPAs* (Índia Pale Ales) produzidas por cervejarias mais radicais espalhadas pelo mundo, inclusive por lá, mas que pouco são vistas nos *pubs.

Foi apenas no terceiro dia que me deparei com um bar que estava participando de um movimento chamado de ?Beers Festival, a celebration of yeast, hops and barley? (Festival de Cervejas, uma celebração de leveduras, lúpulos e maltes). Feliz descoberta!!!

Conversa vai, conversa vem, e eis que Alan comenta comigo sobre a severa legislação em vigor no País, onde várias taxas são cobradas dos estabelecimentos que desejam servir cervejas com teores alcoólicos maiores do que 5%, além das taxas pagas de acordo como os horários de funcionamento do local. Quanto mais tarde o local encerra suas operações, mais caras as taxas! Acredito que a limitação mora aí, mas mesmo assim senti que há uma busca por novidades, o movimento do Festival de Cervejas prova isso e existem cervejarias produzindo excelentes cervejas no Reino Unido, mas que ainda não tem o espaço merecido, ao menos nos pub`s.

Em terras tupiniquins podemos encontrar nos bares e sites especializados em cervejas excelentes exemplares que vão das super tradicionais e classudas da cervejaria Fuller`s, até as cervejas da BrewDog Brewery, radicais até dizer chega, as Ola Dubh, elaboradas em parceria entre a  cervejaria Harviestoun e a Destilaria Highland Park, maturadas em barris de whisky puro malte, e as Meantime entre elas a com adição de chocolate, apreciadíssima pelos chocólatras! E esperamos por mais em breve!!!

Cheers!!!