Você já tem uma família feliz?

Se eu paro em um semáforo? Lá está ela? Mais uma família feliz! Uma sequência de adesivos, onde você fica sabendo quem faz parte da família que usa aquele carro! Quase sempre o anúncio é feito na parte traseira do carro e a variedade é imensa! Adesivos brancos? Adesivos pretos, coloridos! Famílias imensas, outras bem pequenas, até mesmo casais de namorados, já são considerados famílias felizes!  Animais são comuns, cães, gatos, peixe e claro o papagaio! Um barato, que virou uma divertida análise! Primeiro visualizo os adesivos, depois me coloco a imaginar aquele clã. Quero saber quem é o filho mais velho, a menina ou o menino?  Dá pra saber também se tem um bebê! Se os meninos são adolescentes, se o caçula é skatista, se o pai é surfista, dá pra saber até se a mamãe está grávida!

Aí além dessa análise, fiz outra! Seria isso, uma valorização da família? Sim, pode ser! Mas aí me veio outra questão em mente! A pluralidade das famílias de hoje em dia!

A minha, por exemplo, me casei aos 20, tive o meu primeiro filho, me separei dois anos depois. No relacionamento seguinte, que não teve véu e grinalda e muito menos cartório, fiquei grávida duas vezes, tive a Jú e o Gab. Irmãos do Gui por parte de mãe, heranças minhas pelo resto da vida, já o relacionamento? Teve o tempo que deveria durar.

E com o passar do tempo ficamos assim: Eu, sozinha, com o título dado pelo IBGE de arrimo de família. Gui com dois irmãos por parte de mãe e um por parte de pai! Júlia e Gab com um irmão por parte de mãe e 5 por parte de pai! Imagine como seria o adesivo?

Casos como o meu são muito comuns e devem estar a salvo de preconceito, sempre lutei por isso. E vou continuar lutando. Os pais tem direito a fazer escolhas e o dever de ensinar aos filhos que as diferenças existem. Mostrar o lado bom e o ruim! Compartilhar, sem criar nas crianças o rancor vindo de frustrações pessoais. Quando o filho do meu ex-marido nasceu, fui com o Guilherme comprar um presente para o irmãozinho e fazer uma visita! São vidas que se encontraram, se amaram se multiplicaram e por razões totalmente compreensíveis se separaram. Ninguém é culpado pelo fim de uma família tradicional! E ninguém deixa de ter uma família, por que o pai e a mãe não estão mais juntos, porque os pais são dois homens gays que adotaram um bebê! Porque um filho se casou! E lembre-se não é nenhum fim de mundo se um casal, resolve não ter filhos? A família se transformou! Nosso desafio agora é respeitar essas mudanças, cultivar os laços que se formaram e ser como dizem os adesivos UMA FAMÍLIA FELIZ e pronto!

Bj grande