Você pensa que cachaça é água?

Você pensa que cachaça é água?

Sempre que me faço essa pergunta estou em um baile de carnaval.

A mais recente, foi há poucos dias? Baile da hípica em Guaratinguetá, noite fria, chuvosa, eu, minha irmã, meu cunhado e ao chegar lá um milhão de lembranças!

Pessoas queridas, pessoas que se tornaram estranhas, pessoas que estão do mesmo jeitinho, pessoas que há muito tempo eu não via! Tios, amigos dos meus pais, que ainda brincam o carnaval! Aliás, brincar o carnaval é coisa de quem nasceu há 10 mil anos atrás!

Mas, a verdade é que pra mim foi como se o tempo tivesse parado! As marchinhas e os enredos que foram sucesso muito antes da virada do século, ressuscitavam na minha boca! O gosto de tinta do confete caindo na boca também era o mesmo de quando eu me vestia de ?rumbeira? ((meus filhos jamais saberiam dizer o que é uma rumbeira)). As serpentinas grudaram nos meus pés, do jeitinho que acontecia no Umuarama Clube de Aparecida!  Pra me confundir ainda mais, encontrei o Alfredo, símbolo do meu carnaval!  Amigo querido dono de um abraço generoso e o tempo não parava de voltar! O riso também voltou a ficar preso na minha boca! Se eu chorasse estaria sorrindo, exatamente como nas matinês em Aparecida!

E exatamente como antes, as idas ao banheiro, também foram sensacionais! Explico: antigamente, era nessa hora que a gente encontrava, ou forjava um esbarrão com os rapazes interessantes! Na hípica, foi nesse momento que reencontrei um dos bonitões da minha época, que na naquele tempo, pouco olhava pra mim! Mas não é que pra minha surpresa, ele me reconheceu, eu é que demorei, para ter certeza de que era a mesma pessoa! Os cabelos mais ralos, o rosto mais redondo, o tempo passou pra ele também! Importante é que foi mais um flashback, delicioso! Nessas idas e vindas ao banheiro, encontrei outras tantas pessoas e quando fui pular no salão (como dizíamos no passado) aí o relógio deu centenas de voltas no sentido anti-horário. Esqueci do salto, da cerveja, disparei sorrisos e olhares para quem viesse em minha direção, sabe aquele gesto com a cabeça? Aquele, como se você estivesse dizendo: ??Eu sei o que você está sentindo?.

Quase pude ver tudo ao meu redor em preto e branco!

Dizem que o passado não volta, mas o meu voltou e sei que não foi só pra mim! O ingresso do baile, que foi um presente do meu cunhado, foi também um passaporte vip para reviver grandes momentos da minha vida, como diria Chico Buarque: ??Página feliz da nossa história?!

Uma ótima quarta-feira de cinzas pra todos!

Bj grande