VOU CHORAR!

Apesar de carregar muito de uma canceriana em mim mesma, deixei em algum lugar uma característica muito própria do meu signo? Estranhamente, não sou chorona. Pra cair uma lágrima, dá o que fazer.

Talvez o fato de ser a terceira filha? Meus pais já tinham um casal de filhos, meu choro de nada iria adiantar, talvez a infância tão intensa e com acirrada concorrência, tenha secado o meu rio de lágrimas, talvez.

Mas, de uns dias pra cá, ando sentindo um baita nó na garganta? daqueles que só sinto diante de um filme bom, de uma reportagem tocante, de uma cena de novela ou com um bom romance nas mãos.

Claro que ando procurando os motivos, me questiono toda vez em que armo beicinho. Primeiro deixo o corpo arrepiar levemente, a saliva engrossar e não passar com facilidade na garganta, o nariz arder como numa crise de sinusite e finalmente os olhos marejarem. Aí, acordo do nó? E digo, Marilucy, larga de loucura, que chororô é esse? Deixa de ser boba!

Nem a bancada do jornal, tem sido lugar fácil de segurar essa vontade de abrir a boca e chorar. Vocês devem se perguntar se eu tenho motivos pra estar assim! Tenho.

Só preciso aceitar a minha fragilidade e deixar o pranto rolar. Sentir o sal das lágrimas, ouvir meu choro, limpar a alma, o coração e a mente e nesse dia aprender que chorar não é pecado.